Sonia Regina Villarinho

VOCÊ – Sonia Regina Villarinho

Você
Que entrou na minha vida de repente,
E se acomodou tão delicadamente,
Que eu quase não pude perceber…
Você
Que chegou sem licença ou permissão,
E sem alarde ocupou meu coração,
De um jeito difícil de se descrever…
Você
Que trouxe um colorido inesperado,
Ocupando um lugar nunca ocupado,
Que estava fadado a te pertencer…
Você
Que encontrou um coração sem dono,
E agora me faz perder o sono,
Sonhando com o dia de te conhecer!

(Sonia Regina Villarinho)

Inconsciente

Dou-te cada minuto do meu dia.
As horas cheias,as horas vazias,
Cada pensamento,cada poesia,
Dou-te as noites de insônia,as madrugadas,
Cada nascer do Sol,cada alvorada,
Que me encontrou ainda acordada,
Falando às estrelas derradeiras.
Dou-te a amizade pura e verdadeira,
Que guardei pra você a vida inteira…
Se ainda assim não for suficiente,
Dou-te as horas de sono,onde inconsciente,
Ainda é você que ocupa a minha mente.
E,numa quase certeza,eu suponho,
São pra você os versos que componho,
Quando não sei se penso ou se sonho!

(Sonia Regina Villarinho)

CATIVA

Não precisas saber que se eu te amo,
Nem espero de você nenhum consolo.
Sou feliz assim,e não reclamo,
Desse amor tão bonito e tão tolo.

Gosto de sentir que sou capaz
De amar,mesmo sem ser amada.
E, se soubesses o bem que isso me faz,
Entenderias que não me deves nada!

A minha vida,antes tão modesta,
Inundada de amor,tornou-se festa,
E escrava me tornei de tal Senhor.

Te amarei,eu sei, enquanto eu viva,
Já que eternamente me tornei cativa
Dessa doce prisão chamada Amor!

(Sonia Regina Villarinho)

Eu Te Amaria

Eu juro que te amaria,
Se fosse fácil assim.
E, nada me daria
Maior satisfação.
Mas, se nem a mim
Pertence esse coração,
Como eu poderia
Dá-lo a alguém?
Eu gostaria, como eu gostaria!
De poder te amar também,
E viver a afeição sincera
Do amor que me ofereces.
Se eu pudesse, ah, se eu pudesse!
Te amaria como tu mereces,
E, arrancaria do peito
Esse inútil coração…
Que nada mais tem feito
Do que amar sem razão!

(Sonia Regina Villarinho)

*

Chuva

Chove…
É o céu,talvez,que hoje chora
Por perder as estrelas,
Por perder a lua.
E há em mim
A mesma tristeza que há lá fora,
E o mesmo gosto de chuva
Que há na rua.
Chove…
E,eu enxugo o rosto sem saber
Se de chuva ou de pranto.
Que diferença,afinal,vai ter?
Chove…
E eu seco o rosto,
Sem saber,no entanto,
Se de chuva ou desgosto!

(Sonia Regina Villarinho)

*

Bendita Poesia!

Bendita a poesia,
A transbordar emoção!
Razão maior da alegria
Que trago no coração!
Mágico sopro de vida
Que alimenta, que acalenta,
O corpo doído, cansado da lida.
Fazendo esquecer
A barriga vazia
A tosca moradia,
A conta a vencer.
Bendita a poesia,
Dádiva preciosa,
Como um canteiro de rosas
A adornar nossas vidas.
Doce perfume de flor,
Bálsamo para as feridas.
Bendita seja a poesia,
Enchendo a vida de cor!

(Sonia Regina Villarinho)

Amor Secreto

Eu poderia, se você deixasse,
Fitar seus olhos lindos como o jade,
Pra que nos meus, tu lesses a verdade
Que eu faço tudo para esconder.
Eu poderia, se você deixasse,
Te confessar o quanto tenho medo
De revelar o único segredo
Que poderia fazer eu te perder.
Eu poderia, se você deixasse,
Tornar real os beijos que não demos,
E as juras de amor que não fizemos,
Poderiam, enfim, acontecer.
Eu poderia, se você deixasse,
Fazer um poema para cada dia,
E, celebrar com você a alegria
Que faz desse amor o meu viver.
Eu poderia, mas você não deixa!
Não adivinhas em mim nenhuma queixa,
O que eu sinto, não sabes perceber.
Por que não escutas o que não posso te dizer?

(Sonia Regina Villarinho)
Veja outros Versos de Visitantes

15 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *