Rafael Sobral

Cordela (Dela para ela) – Rafael Sobral

De agradável leveza
Partiu do extremo norte
Meio cheia de certeza
Pro centro tentou a sorte
Praqui não furtou tristeza
Mas a moça ficou forte
Conquistou expondo beleza
Inté mesmo um dom do acorde

Quem hoje vê perna de légua
Não crê na cabeça panela
Moça que chega falando “pai d’égua”
Só podia ser Gabriela

(Rafael Sobral)

*

10 KM

Ninguém atrás de mim. Sigo voando pela estrada. A cabeça vazia. Mas com pensamentos sem fim. Tire esses óculos. Deixe o vento correr, vir, bater. Enfim, atingir o rosto em cheio. Também não há por que prender as lágrimas. Lágrimas que vem com o vento. E, tal como ele, se vão, para dar lugar a novas. Vento, lágrimas. É tudo tão vivo. Quem dera momentos como esse pudessem durar para sempre. Ou, ao menos, se repetissem mais vezes. Mas, tudo acaba. Como sempre. Feche a janela. Ponha os óculos. Volte a dormir.

(Rafael Sobral)

*

Aquela noite

Silêncio que tornava tudo mais tenso
Tenso de medo de acordares
Acordares? Mas de fato dormias?
Dormias com certeza não
Não, pensava eu
Eu tomava a iniciativa
Iniciativa que logo tinha resposta
Resposta que ia cada vez mais longe
Longe tanto que já perto
Perto o quanto era possível
Possível não era desde o início
Início que terminou como o fim
Fim que terminou como o início: silêncio

(Rafael Sobral)

*

Leia mais versos de visitante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *