Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo

Álvares foi um escritor da segunda geração romântica (Ultrarromântica, Byroniana ou Mal-do-século), contista, dramaturgo, poeta e ensaísta brasileiro, autor de Noite na Taverna. São Paulo, Província de São Paulo, Império do Brasil, 12 de setembro de 1831 — Rio de Janeiro, Império do Brasil, 25 de abril de 1852
Álvares de Azevedo

Principais Poesias de Álvares de Azevedo

Desânimo

Estou agora triste. Há nesta vida Páginas torvas que se não apagam, Nódoas que não se lavam… se esquecê-las De todo não é dado

Leia a Poesia »

Cismar

Fala-me, anjo de luz! és glorioso À minha vista na janela à noite, Como divino alado mensageiro Ao ebrioso olhar dos froixos olhos Do

Leia a Poesia »

Anjos do céu

Tenho um seio que delira Como as tuas harmonias! Que treme quando suspira, Que geme como gemias! II Tenho músicas ardentes, Ais do meu

Leia a Poesia »

Amor

Amemos! Quero de amor Viver no teu coração! Sofrer e amar essa dor Que desmaia de paixão! Na tu’alma, em teus encantos E na

Leia a Poesia »

À T…

Amoroso palor meu rosto inunda, Mórbida languidez me banha os olhos, Ardem sem sono as pálpebras doridas, Convulsivo tremor meu corpo vibra: Quanto sofro

Leia a Poesia »

Biografia

Filho de Inácio Manoel Álvares de Azevedo e Maria Luísa Silveira da Motta Azevedo, sua infância começou no Rio de Janeiro. Em 1847, retornou a São Paulo, matriculado na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco e, desde o início, era conhecido por suas excelentes criações literárias e seus primeiros trabalhos literários. Ele se destaca pelo fácil aprendizado de idiomas e pelo espírito jovem e emocional. No processo legal, ele traduziu o “Othello Act Five” de Shakespeare. “O parisiense”, traduzido por Lord Byron, fundou a “Revista Social Enso Filosofico Paulistano” (1849); é membro da Epicuria Association e começou a escrever o épico “O Conde Lopo” “, no qual apenas fragmentos permanecem.