Afonso romano de Sant'anna

Affonso Romano de Sant’Anna

Affonso Romano de Sant’Anna

Escritor e poeta brasileiro, nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais em 27 de março de 1937.
Afonso romano de Sant'anna

Principais Poesias de Affonso Romano de Sant’Anna

Amor e Medo

Estou te amando e não percebo, porque, certo, tenho medo. Estou te amando, sim, concedo, mas te amando tanto que nem a mim mesmo

Leia a Poesia »

Separação

Desmontar a casa e o amor. Despregar os sentimentos das paredes e lençóis. Recolher as cortinas após a tempestade das conversas. O amor não

Leia a Poesia »

Reflexivo

O que não escrevi, calou-me. O que não fiz, partiu-me. O que não senti, doeu-se. O que não vivi, morreu-se. O que adiei, adeus-se.

Leia a Poesia »

Fascínio

Casado, continuo a achar as mulheres irresistíveis. Não deveria, dizem. Me esforço. Aliás, já nem me esforço. Abertamente me ponho a admirá-las. Não estrou

Leia a Poesia »

Filho de um capitão da Polícia Militar, Jorge Firmino de Sant’Anna, e de Maria Romano de Sant’Anna, ambos de orientação protestante. Affonso Romano de Sant’Anna é Poeta, crítico e professor de literatura e jornalista.

Biografia

Ainda pequeno, mudou-se com a família para a cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde começou a estudar literatura ao frequentar biblioteca pública. Iniciou a carreira de jornalista em 1953, publicando críticas de filmes e teatro no Diário Comercial e na Gazeta Mercantil.

Nas décadas de 1950 e 1960, ele participou do movimento poético de vanguarda. Em 1961, formou-se em Letras Neolatinas na então Universidade de Minas Gerais(UMG), pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

Em 1965, lecionou na Universidade de Los Angeles (UCLA), na Califórnia, e participou do Programa Internacional de Escritores da Universidade de Iowa, no ano de 1968, que reuniu 40 escritores de todo o mundo.

Em sua carreira internacional, chegou a ministrar cursos na Alemanha, Estados Unidos, Dinamarca, Portugal e França.

Em 1969, recebeu o doutorado da Universidade Federal de Minas Gerais e, um ano depois, abriu um curso de pós-graduação em literatura brasileira na PUC no Rio de Janeiro. De 1973 a 1976, atuou como chefe do Departamento de Literatura e Arte da PUC-RJ e, posteriormente, conduziu uma série de conferências literárias nacionais “Exposia”. Sua tese de doutorado abrangeu a análise da poesia de Carlos Drummond de Andrade, intitulada “Drummond”.

De 1990 a 1996, atuou como presidente da Fundação Biblioteca Nacional, onde formulou muitas ações para incentivar a leitura, como o Sistema Nacional de Bibliotecas.