Afonso romano de Sant'anna

Affonso Romano de Sant’Anna

Affonso Romano de Sant’Anna

Escritor e poeta brasileiro, nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais em 27 de março de 1937.
Afonso romano de Sant'anna

Filho de um capitão da Polícia Militar, Jorge Firmino de Sant’Anna, e de Maria Romano de Sant’Anna, ambos de orientação protestante. Affonso Romano de Sant’Anna é Poeta, crítico e professor de literatura e jornalista.

Biografia

Ainda pequeno, mudou-se com a família para a cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde começou a estudar literatura ao frequentar biblioteca pública. Iniciou a carreira de jornalista em 1953, publicando críticas de filmes e teatro no Diário Comercial e na Gazeta Mercantil.

Nas décadas de 1950 e 1960, ele participou do movimento poético de vanguarda. Em 1961, formou-se em Letras Neolatinas na então Universidade de Minas Gerais(UMG), pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

Em 1965, lecionou na Universidade de Los Angeles (UCLA), na Califórnia, e participou do Programa Internacional de Escritores da Universidade de Iowa, no ano de 1968, que reuniu 40 escritores de todo o mundo.

Em sua carreira internacional, chegou a ministrar cursos na Alemanha, Estados Unidos, Dinamarca, Portugal e França.

Em 1969, recebeu o doutorado da Universidade Federal de Minas Gerais e, um ano depois, abriu um curso de pós-graduação em literatura brasileira na PUC no Rio de Janeiro. De 1973 a 1976, atuou como chefe do Departamento de Literatura e Arte da PUC-RJ e, posteriormente, conduziu uma série de conferências literárias nacionais “Exposia”. Sua tese de doutorado abrangeu a análise da poesia de Carlos Drummond de Andrade, intitulada “Drummond”.

De 1990 a 1996, atuou como presidente da Fundação Biblioteca Nacional, onde formulou muitas ações para incentivar a leitura, como o Sistema Nacional de Bibliotecas.

 

Principais Poesias de Affonso Romano de Sant’Anna

Assombros

Às vezes, pequenos grandes terremotos ocorrem do lado esquerdo do meu peito. Fora, não se dão conta os desatentos. Entre a aorta e a

Leia a Poesia »