Poema que é bom
acaba zero a zero.
Acaba com.
Não como eu quero.
Começa sem.
Com, digamos, certo verso,
veneno de letra,
bolero. Ou menos.
Tira daqui, bota dali,
um lugar, não caminho.
Prossegue de si.
Seguro morreu de velho,
e sozinho.

Outras poesias do mesmo autor(a):

*

atrasos do acaso cuidados que não quero mais o que era pra vir veio tarde e essa tarde não sabe do que o acaso

Leia a Poesia »

*

você está tão longe que às vezes penso que nem existo nem fale em amor que amor é isto

Leia a Poesia »

Arte do Chá

ainda ontem convidei um amigo para ficar em silêncio comigo ele veio meio a esmo praticamente não disse nada e ficou por isso mesmo

Leia a Poesia »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *