Capa Meramente Ilustrativa do Livro, sem a intensão de substituir a original.

Livro:

Obra poética

Edição:

Volume 4

Cidade:

-

Editora:

Biblioteca luso-brasileira: Série brasileira. Companhia J. Aguilar Editora

Ano:

1958

Páginas:

10

Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
– Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Outras poesias do mesmo autor(a):

Marcha

As ordens da madrugada romperam por sobre os montes: nosso caminho se alarga sem campos verdes nem fontes. Apenas o sol redondo e alguma

Leia a Poesia »

Máquina Breve

O pequeno vaga-lume com sua verde lanterna, que passava pela sombra inquietando a flor e a treva — meteoro da noite, humilde, dos horizontes

Leia a Poesia »

Reinvenção

A vida só é possível reinventada. Anda o sol pelas campinas e passeia a mão dourada pelas águas, pelas folhas… Ah! tudo bolhas que

Leia a Poesia »