Retrato de Andaluzia

Estatura pequena e nítida
das cidades de onde ela era:
daquele justo para o abraço
que é de Cádiz, onde nascera,
e de Sevilha, onde vivia
e se dizia, mas não era:
cidades que ainda se podem
abraçar de uma vez, completas,
e que dão certo estar-se dentro,
àquele que as habita ou versa,
a entrega inteira, feminina,
e sensual ou sexual, de sesta.

Outras poesias do mesmo autor(a):

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *