Porquinho-da-Índia

Quando eu tinha seis anos
Ganhei um porquinho-da-índia.
Que dor de coração eu tinha
Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!
Levava ele pra sala
Pra os lugares mais bonitos, mais limpinhos,
Ele não se importava:
Queria era estar debaixo do fogão.
Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas…
– O meu porquinho-da-índia foi a minha primeira namorada.

Outras poesias do mesmo autor(a):

Andorinha

Andorinha lá fora está dizendo: – “Passei o dia à toa, à toa!” Andorinha, andorinha, minha cantiga é mais triste! Passei a vida à

Leia a Poesia »

Desencanto

Eu faço versos como quem chora De desalento… de desencanto… Fecha o meu livro, se por agora Não tens motivo nenhum de pranto. Meu

Leia a Poesia »

Namorados

O rapaz chegou-se para junto da moça e disse: – Antônia, ainda não me acostumei com o seu corpo, com a sua cara. A

Leia a Poesia »

Ria, Rosa, Ria

(A Guimarães Rosa) Acaba a Alegria Dizendo-nos: – Ria! Velha companheira, Boa conselheira! Por isso me rio De mim para mim. Rio, rio, rio!

Leia a Poesia »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *