O Berço e o Terremoto

Capa Meramente Ilustrativa do Livro, sem a intensão de substituir a original.

Livro:

Caderno H

Edição:

Nova Aguilar

Cidade:

-

Editora:

-

Ano:

2005

Página(s):

334

Os versos, em geral, são versos de embalar, como eu às vezes os tenho feito, não sei se por simples complacência… ou pura piedade.

Contudo, os verdadeiros versos não são para embalar – mas para abalar.

Mesmo a mais simples canção, quando a canta um García Lorca, desperta-te a alma para um mundo de espanto.

Outras poesias do mesmo autor(a):

713.789

O bom das segundas-feiras, do primeiro de cada mês e do Primeiro do Ano é que nos dão a ilusão que a vida se

Leia a Poesia »

Espelho

Por acaso, surpreendo-me no espelho: Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (…) Parece meu velho pai –

Leia a Poesia »

Clareiras

Se um autor faz você voltar atrás na leitura, seja de um período ou de uma simples frase, não o julgue profundo demais, não

Leia a Poesia »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *