Eu que procuro a paz e a detesto,
que sonho as Babilónias, já sabendo
o cansaço que delas hei-de ter,
eu que tudo amo… e nada quero,
embora sempre em busca doutra coisa,
donde tiro ainda a força dos meus braços?

Outras poesias do mesmo autor(a):

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *