“Ficam intimados os humanos a interromper as dores, a esquecer as mágoas, a adiar as dívidas, a perdoar os outros…”

*

“Uma farsa, essa sua vida — uma farsa. E o pior é que você já não consegue nem fingir que acredita nela.”

*

“Primeiro que paixão deve ser coisa discreta, calada, centrada. Se você começa a espalhar aos sete ventos, crau, dá errado.”

*

“Eu acho que a gente não deve perder a curiosidade pelas coisas: há muitos lugares para serem vistos, muitas pessoas para serem conhecidas. Tudo isso estimula a gente, clareia a cabeça, refresca.”

*

“Depois de várias tempestades e naufrágios, o que fica em mim é cada vez mais essencial e verdadeiro.”

*

“Às vezes a gente vai-se fechando dentro da própria cabeça, e tudo começa a parecer muito mais difícil do que realmente é.”

Outras poesias do mesmo autor(a):

Carta

Porto, 22 de dezembro de 1979 Zézim, cheguei hoje de tardezinha da praia, fiquei lá uns cinco dias, completamente só (ótimo!), e encontrei tua

Leia a Poesia »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *