Livro:

Bandeira de bolso: uma Antologia Poética

Edição:

-

Cidade:

Porto Alegre

Editora:

L&PM

Ano:

2012

Página(s):

133

Quando a Indesejada das gentes chegar
(Não sei se dura ou caroável),
Talvez eu tenha medo.
Talvez sorria, ou diga:
– Alô, iniludível!
O meu dia foi bom, pode a noite descer.
(A noite com os seus sortilégios.)
Encontrará lavrado o campo, a casa limpa,
A mesa posta,
Com cada coisa em seu lugar.

(Publicado em Bandeira de bolso: uma Antologia Poética – Porto Alegre, RS: L&PM, 2012. p. 133)

Outras poesias do mesmo autor(a):

Belo Belo II

Belo belo minha bela Tenho tudo que não quero Não tenho nada que quero Não quero óculos nem tosse Nem obrigação de voto Quero

Leia a Poesia »

Belo Belo

Belo belo belo, Tenho tudo quanto quero. Tenho o fogo de constelações extintas há milênios. E o risco brevíssimo – que foi? passou –

Leia a Poesia »

Poética

Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao

Leia a Poesia »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *