Canção do Amor Imprevisto

Capa Meramente Ilustrativa do Livro, sem a intensão de substituir a original.

Livro:

Antologia Poética

Edição:

-

Cidade:

Porto Alegre

Editora:

EDIPUCRS

Ano:

2007

Página(s):

64

Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.

Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses teus cabelos…

E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender nada, numa alegria atônita…
A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos.

(Poema conferido por mim mesmo em Antologia Poética. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007. p. 64)

Outras poesias do mesmo autor(a):

713.789

O bom das segundas-feiras, do primeiro de cada mês e do Primeiro do Ano é que nos dão a ilusão que a vida se

Leia a Poesia »

Espelho

Por acaso, surpreendo-me no espelho: Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (…) Parece meu velho pai –

Leia a Poesia »

Clareiras

Se um autor faz você voltar atrás na leitura, seja de um período ou de uma simples frase, não o julgue profundo demais, não

Leia a Poesia »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *