Maria Teresinha Faraco

Fome – Maria Teresinha Faraco

A poeira,

as rachaduras,

o pano encardido

– solidão sobre a mesa,

Sem harmonia,

somente uma sina.

Bailado de sonhos

sempre existiu.

Silêncio sob a dança das estrelas.

A lua estende o manto:

não é alimento na mesa…

No lugar do pão,

a espera imortal

por outra mão…

( Maria Teresinha Faraco )

Leia mais versos de visitantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *