Marcelo Ferreira Júnior

O balão e a nuvem – Marcelo Ferreira Júnior

Nuvenzinha sumindo no azul brando
Partiu sem par, estirada, poeira,
O balão solitário vai chorando
Seu partido coração, à fogueira.

E quem em terra ficasse admirando
Saberia – ironia ou brincadeira
Que ele unicamente existia quando
Expirava de si sua fumaceira.

Sob os céus, por todo canto, explora.
E quanto mais fôlego ele tomava
Mais a poluía, mais oculta a tinha.

Ela, morando do lado de fora,
Apenas inutilmente sonhava
Dar-lhe, um dia, uma doce chuvinha
(Marcelo Ferreira Júnior)
Leia outros versos de visitantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *