Manoel de Barros – Poemas

Manoel de Barros – Poemas

Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas.
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim esse atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.

(Manoel de Barros)
(Memórias inventadas – As Infâncias de Manoel de Barros, São Paulo: Planeta do Brasil, 2010. p. 47)

“Poesia é voar fora da asa.”

( Manoel de Barros )

*

Mundo Pequeno

(do livro “O Livro das Ignorãças”)

I

O mundo meu é pequeno, Senhor.
Tem um rio e um pouco de árvores.
Nossa casa foi feita de costas para o rio.
Formigas recortam roseiras da avó.
Nos fundos do quintal há um menino e suas latas
maravilhosas.
Todas as coisas deste lugar já estão comprometidas
com aves.
Aqui, se o horizonte enrubesce um pouco, os
besouros pensam que estão no incêndio.
Quando o rio está começando um peixe,
Ele me coisa
Ele me rã
Ele me árvore.
De tarde um velho tocará sua flauta para inverter
os ocasos.

( Manoel de Barros )

*

“O poeta é um ente que lambe palavras.”

( Manoel de Barros )

*

II

Conheço de palma os dementes de rio.
Fui amigo do Bugre Felisdônio, de Ignácio Rayzama
e de Rogaciano.
Todos catavam pregos na beira do rio para enfiar
no horizonte.
Um dia encontrei Felisdônio comendo papel nas ruas
de Corumbá.
Me disse que as coisas que não existem são mais
bonitas.

( Manoel de Barros )

*

IV

Caçador, nos barrancos, de rãs entardecidas,
Sombra-Boa entardece. Caminha sobre estratos
de um mar extinto. Caminha sobre as conchas
dos caracóis da terra. Certa vez encontrou uma
voz sem boca. Era uma voz pequena e azul. Não
tinha boca mesmo. “Sonora voz de uma concha”,
ele disse. Sombra-Boa ainda ouve nestes lugares
conversamentos de gaivotas. E passam navios
caranguejeiros por ele, carregados de lodo.
Sombra-Boa tem hora que entra em pura
decomposição lírica: “Aromas de tomilhos dementam
cigarras.” Conversava em Guató, em Português, e em
Pássaro.
Me disse em Língua-pássaro: “Anhumas premunem
mulheres grávidas, 3 dias antes do inturgescer”.
Sombra-Boa ainda fala de suas descobertas:
“Borboletas de franjas amarelas são fascinadas
por dejectos.” Foi sempre um ente abençoado a
garças. Nascera engrandecido de nadezas.

( Manoel de Barros )

*

VI

Descobri aos 13 anos que o que me dava prazer nas
leituras não era a beleza das frases, mas a doença
delas.
Comuniquei ao Padre Ezequiel, um meu Preceptor,
esse gosto esquisito.
Eu pensava que fosse um sujeito escaleno.
– Gostar de fazer defeitos na frase é muito saudável,
o Padre me disse.
Ele fez um limpamento em meus receios.
O Padre falou ainda: Manoel, isso não é doença,
pode muito que você carregue para o resto da vida
um certo gosto por nadas…
E se riu.
Você não é de bugre? – ele continuou.
Que sim, eu respondi.
Veja que bugre só pega por desvios, não anda em
estradas –
Pois é nos desvios que encontra as melhores surpresas
e os ariticuns maduros.
Há que apenas saber errar bem o seu idioma.
Esse Padre Ezequiel foi o meu primeiro professor de
gramática.

( Manoel de Barros )

*

VII

Toda vez que encontro uma parede
ela me entrega às suas lesmas.
Não sei se isso é uma repetição de mim ou das
lesmas.
Não sei se isso é uma repetição das paredes ou
de mim.
Estarei incluído nas lesmas ou nas paredes?
Parece que lesma só é uma divulgação de mim.
Penso que dentro de minha casca
não tem um bicho:
Tem um silêncio feroz.
Estico a timidez da minha lesma até gozar na pedra.

( Manoel de Barros )

*

Manoel por Manoel

Eu tenho um ermo enorme dentro do olho. Por motivo do ermo não fui um menino peralta. Agora tenho saudade do que não fui. Acho que o que faço agora é o que não pude fazer na infância. Faço outro tipo de peraltagem. Quando eu era criança eu deveria pular muro do vizinho para catar goiaba. Mas não havia vizinho. Em vez de peraltagem eu fazia solidão. Brincava de fingir que pedra era lagarto. Que lata era navio. Que sabugo era um serzinho mal resolvido e igual a um filhote de gafanhoto.
Cresci brincando no chão, entre formigas. De uma infância livre e sem comparamentos. Eu tinha mais comunhão com as coisas do que comparação.
Porque se a gente fala a partir de ser criança, a gente faz comunhão: de um orvalho e sua aranha, de uma tarde e suas garças, de um pássaro e sua árvore. Então eu trago das minhas raízes crianceiras a visão comungante e oblíqua das coisas. Eu sei dizer sem pudor que o escuro me ilumina. É um paradoxo que ajuda a poesia e que eu falo sem pudor. Eu tenho que essa visão oblíqua vem de eu ter sido criança em algum lugar perdido onde havia transfusão da natureza e comunhão com ela. Era o menino e os bichinhos. Era o menino e o sol. O menino e o rio. Era o menino e as árvores.

(Manoel de Barros)
(Memórias inventadas – As Infâncias de Manoel de Barros, São Paulo: Planeta do Brasil, 2010.
p. 187)

*

Acho que o quintal onde a gente brincou é maior do que a cidade. A gente só descobre isso depois de grande. A gente descobre que o tamanho das coisas há de ser medido pela intimidade que temos com as coisas. Há de ser como acontece com o amor. Assim, as pedrinhas do nosso quintal são sempre maiores do que as outras pedras do mundo. Justo pelo motivo da intimidade. Mas o que eu queria dizer sobre o nosso quintal é outra coisa. Aquilo que a negra Pombada, remanescente de escravos do Recife, nos contava. Pombada contava aos meninos de Corumbá sobre achadouros. Que eram buracos que os holandeses, na fuga apressada do Brasil, faziam nos seus quintais para esconder suas moedas de ouro, dentro de baús de couro. Os baús ficavam cheios de moedas dentro daqueles buracos. Mas eu estava a pensar em achadouros de infâncias. Se a gente cavar um buraco ao pé da goiabeira do quintal, lá estará um guri ensaiando subir na goiabeira. Se a gente cavar um buraco ao pé do galinheiro, lá estará um guri tentando agarrar no rabo de uma lagartixa. Sou hoje um caçador de achadouros de infância. Vou meio dementado e enxada às costas a cavar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos. Hoje encontrei um baú cheio de punhetas.

(Manoel de Barros)
(Memórias inventadas – As Infâncias de Manoel de Barros, São Paulo: Planeta do Brasil, 2010. p. 67)

Conheça também:

Leia mais poemas de poetas consagrados

Manoel de Barros
Manoel de Barros

97 respostas

  1. Me emociono e me encanto a cada vez que leio algo de Manoel de Barros. Ele possui uma insensatez mágica… Me sinto refletida em sua essência. Gostaria de ter o seu endereço pessoal para enviar uma carta, ou um pano de prato, ou mesmo uma semente…Abraços

  2. Amei este homem logo que iniciou o video que fora mandado pela Magia da poesia. Como é possivel tanto luxo em tamanha simplicidade?! É um poeta incrível, quase irreal tamanha é a sua beleza! Acho que somente hoje, vendo, ouvindo e lendo Manoel de Barros é que fui conhecer o verdadeiro valor da poesia. Como mesmo disse o poeta: poesia não é para compreender é para encorporar! Eu encorporei a poesia de Manoel de Barros, virou uma tatuagem para mim!

  3. Um amigo me “apresentou” à obra do Manoel de Barros a pouquíssimo tempo, mas fiquei tão encantada que é como se já a conhecesse a tempos…
    Ao ler cada linha que ele escreve posso confirmar algo em que sempre acreditei: a beleza maior está no simples!
    Ele é um encanto.

    1. Assim como você Patricia, um amigo me presentou com alguns poemas de Manoel de Barros e fiquei maravilhada com a maneira que ele capta e tranforma em poesia todo encanto das coisas simples. Me apaixonei!!!

  4. Minh'alma se engrandece na minha pequenez física humana diante do esplendor suave dos códigos de amorosidade fraterna de Manoel… Valdir Sodré

  5. Uma vez eu estava la em Caceres no meio do Pantanal…tinha ido pescar e vi o Manoelzão saindo de uma loja de coisas pra animal e rancho…Não tive coragem de aborda-lo..mas mandei um Opas de longe…ele entendeu minha Bugrisse e devolveu um coçar de barba….Melhor cumprimento que um homem ja deu ao outro. Viva!

  6. Ler Manoel é despensar como se fossemos um rio correndo ao avesso .
    talvez um modo de chegar perto bem de longe
    talvez reaprendendo a ver a magia do mundo .Uma vez meu filho com 4 anos deitado na praia me mostrou o que admirava . Para compreender tive que me deitar na areia e perceber o que ele dixzia com encantamento. Quando vi não acreditei .. ali aos meus pés os peixes voavam como os pássaros por vales e montanhas … Ler Manoel é assim .. é ver tudo o que esta ali na frente ao alcance dos olhos .
    áleX ramoS

  7. As poesias do Poeta do Pantanal são realmente fantásticas. Eu adoro esta: Quando as aves falam com as pedras e as rãs com as águas é de poesia que estão falando.

  8. Eu sempre procuro o incêndio dos besouros, as vezes deito no chão e olho o entardecer no horizonte querendo ser besouro eu também. Manoel de Barros viu o que a gente guri aqui do pantanal via e soube transportar o essencial para as palavras. O que não seria possível sem os seu neologismos, porque a beleza de se estar em comunhão com as coisas é justamente intangível. Obrigado Fabio Rocha. Escolheu bem as lambeções. E OBRIGADO MANOEL DE BARROS!

  9. Olá!

    Parabéns pelo gerenciamento e o “investimento” seguro, poesias.
    Gostaria de sua ajuda para descobrir de que obra se trata e como está, de fato, escrito o fragmento “Poesia é o mel das palavras! Eu sou um enxame” por Manoel de Barros. Vejo essa frase de diversas formas, mas me parece que veio de uma comparação como: se a poesia é o mel …”
    PELO AMOR DO AMOR rsrs ajude-me.
    Sou do interior do MT, pertinho dos índios Parecis Haliti.

    1. “Nosso professor de latim, Mestre Aristeu, era magro e do Piauí. Falou que estava cansado de genitivos, dativos, ablativos e de outras desinências. Gostaria agora de escrever um livro. Usaria um idioma de larvas incendiadas. Epa! O professor falseou – ciciou um colega. Idioma de larvas incendiadas! Mestre Aristeu continuou: quisera uma linguagem que obedecesse a desordem das falas infantis do que as ordens gramaticais. Desfazer o normal há de ser uma norma. Pois eu quisera modificar nosso idioma com minhas particularidades. Eu queria só descobrir e não descrever. O imprevisto fosse mais atraente do que o dejá visto. O desespero fosse mais atraente do que a esperança. Epa! O professor desalterou de novo – outro colega nosso denunciou. Porque o desespero é sempre o que não se espera. Verbi gratia: um tropicão na pedra ou uma sintaxe insólita. O que eu não gosto é de uma palavra de tanque. Porque as palavras do tanque são estagnadas, estanques, acostumadas. E podem até pegar mofo. Quisera um idioma de larvas incendiadas. Palavras que fossem de fontes e não de tanques. E um pouco exaltado o nosso professor disse: Falo de poesia, meus queridos alunos. Poesia é o mel das palavras! Eu sou um enxame! Epa!… Nisso entra o diretor do Colégio que assistira à aula de fora. Falou: ‘Seu Enxame espere-me no meu gabinete. O senhor está ensinando bobagens aos nossos alunos’. O nosso mestre foi saindo da sala, meio rindo a chorar.” Manoel de Barros – Memórias Inventadas (A Segunda Infância)

  10. Primeiro gostaria de parabenizar pelo blog, muito bom!

    Agora de deixar um informe. Está em cartaz em Natal, RN, uma peça muito linda, impressionante, intimista e cheia de infância e quintal e coisa, que retrata poesias de Manoel de Barros. Vale muito a pena. Quem estiver próximo e se interessar. O nome do espetáculo é: Retrado do Artista quando Coisa e se apresenta em Ponta Negra.

    Um lindo passeio pelo mundo poético a todos.

  11. Pode até existir, mas não conheço um poeta manejador de palavras mais completo do que Manoel de Barros. Ele usa, desusa, parafusa, reinventa, torce, descoloca palavras, até dar na rã. Sua obra é monumental, e desconheço em toda ela, um só verso que não contenha poesia. Veja um exemplo que cito de cor: há nas margens do rio Capivari uma planta arbustiva muito da sem graça, de nome sarã; não me lembro em qual poema, mas veja que graça ficou > sarãs anoitecidos.
    Não é isso re-invenção? Não é isso criatividade ? Não é isso o que se espera de uma obra de arte? Eu acho que sim. Ele mesmo disse que “onde eu não estou, as palavras me acham”

  12. Rio .08|10|013.

    Conheci o Manoel através de uma linda professora de Jundiaí .
    Estou amando te conhecer Manoel .Tudo nele é Magia .os escritos tem cheiro ,tem cor enfim tem vida.
    Valeu Luciana (Capitu) por ter me apresentado o Manoel.
    Eu adoro você.

  13. Moro bem perto do poeta,conheço tambem ,de perto, dados de sua biografia.Lamento ,no entanto,ter que investir em remédios, e não em livros. Pois uma gibóia muito grande,chamada vida me engoliu inteira .Obrigada pela homenagem ás crianças,comí os doces e lambi os dedos!

    1. Diumira, querida!

      Lamento pela jiboia.
      Mas, talvez, o nosso poeta,
      pegaria essa jiboia, colocaria uma pima
      em uma de suas extremidades e a soltaria
      ao vento, pescando pirilampos com o olhar…

      Beijos no coração!

    2. Diumira !!! gostaria de um contato por email contigo é possível ? , caso o dono do site o permita me resposte por aqui que escrevo-te meu email !obrigado

  14. Estou muito triste e descontente com o mal que o ser humano pode fazer para seu semelhante,e essa leitura me limpou o coração.A poesia sempre teve esse efeito em mim.Assisti ao documentário sobre o escritor,e adorei.

  15. Querido Manoel, ou a quem possa interessar, tenho a honra de publicar um informe noticiando, que para registrar a minha oficina de Materiais Expressivos em Artes Visuais na Escola Parque de Ceilândia – DF, escolhemos o célebre poeta brasileiro Manoel de Barros.

    Att, professora Vera Lúcia (Arte educadora)

    p.s. Trabalho com os resíduos para marcar um contexto sustentável.

  16. Gora poquim quando soube da morte do Manoelzão, garrei a pensar em lesmas, passarinhos, casco de arvores e capim colonião….sei la que me deu…acho que a natureza hoje deu solução de órfã. Viva Manoel!

  17. Amo o Poeta Manoel de Barros! Ele nos faz sentir como é lindo ser brasileiro, de verdade! Na sua poesia, nos remete ao amor, ao encantamento pelas coisas da Natureza, com a beleza da simplicidade, e com tanta sabedoria!

  18. Não leio Manoel de Barros,pois saborear traz outros paladares que não visuais.Deleito-me com sua poesia,imaginando cores que coram,Bandeiras que libertam-nos e nos deixam próximos de Deus.Aqui o poema se inflama e desanda a dizer sandices(sâs-eu disse),cuidado com as palavras vão muito além de seus dizeres,pronuciam mais que suas sinuosidades<nunca fui dado à palavra escrita,nem sei decifrá-las longe de quem as escreve,mas gosto de imaginar as ausências de quem se autorou:de fingir que sou sábio,que leio nas entrelinhas.Graças a pessoas como Manoel,creio me poético,me identifico com seus fazimentos literários.

  19. Estou escrevendo meu trabalho de conclusão de curso sobre a poética desse magnífico poeta.
    Suas poesias me encantam e me causa estímulo para prosseguir minha escrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *