Maiara Faustino

Nós – Maiara Faustino

Todos nós
Todos os nós
Já vimos
Já amarramos,
desamarramos
Já desistimos

Todos nós
Todos os nós
Não vemos!
Mostra-me os teus
Que te mostro os meus

Todos nós
Nossos nós
Sentimos
E fingimos que linha reta é

Fingimos que linha reta é essa nossa vida

E assim todos nós
Todos os nós
Omitimos
Dissimulamos,
pintando de preto ou de branco
Só pra fingir que linha reta é
Só pra fingir que linha reta é

E será por que
tropeços, medos, desassossegos
tudo que você guarda aí
embaixo do teu travesseiro
Todos os nós
Não podem ser DEScobertos?
Por que será que só podem ser descobertos
Todos os nós
quando desamarrados já estão,
quando não são mais nós?

Mostra-me os teus
Que te mostro os meus
Mostramos juntos,
de uma só vez!

Verei seus calos, seus nós,
E tu verás os meus
Seremos nós, só nós, de uma só vez!

( Maiara Faustino )

*

Como andamos nós?

Em terras áridas, gélidas
Vi caras pálidas,
Estúpidas,
Sérias
Sorriso ensosso,
bem amarelo
Gente bem sonsa,
eu encontrei

Mas caminhei

Fiz caras feias, bélicas
Sorri ensosso
Bem amarelo
Em gente bem sonsa
me transformei

E caminhei

E nas terras Áridas, Gélidas
em dramas sérios, etéreos
O que há de bom
em meu coração
de novo encontrei

Maiara Faustino )

*

Coragem, Coragem, Coragem

Coragem pra sair da inércia, da indigência, da indecência.
Coragem pra acordar
Coragem pra ser e não mais compensar, pra ser mais do que estar.
Coragem pra confiar
Coragem pra se manter no foco, na reta, na linha da vida, Esperta
Desperta!

Coragem pra chegar lá,
só não sei onde
Coragem pra chegar lá,
só não sei quando

E quem sabe o nome do lugar seja ‘Agora’
E eu esqueça da rua do ‘Quando’,
Quando eu me perder no instante

E quando o quando e o onde for hoje e agora
Só me restará pedir CORAGEM,
Pra não me afogar,
pra desbravar o mar,
que há.

Maiara Faustino )

Leia mais versos de visitantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *