Aderson Cavalcanti

ALI: A CRIANÇA MUTILADA – Aderson Cavalcanti
(guerra no Iraque)

Ó Senhor! TU que me tiraste do nada
Deste-me um corpo,
Sopraste-me a vida,
Deixaste correr em minhas veias de criança
Sonhos, fantasias e esperanças,
Vens agora, através de uma bomba
Jogada por homens maus,
Filhos também da Tua criação,
Arrancar os meus braços
E com eles meus sonhos, fantasias e esperanças.
Por que eu Senhor?
Por que não me abortaste
Do ventre de minha mãe?
Não seria de Tua parte
Muito mais caridoso
Matares-me quando feto
Pois jamais teria sentido
O gosto doce da esperança
Que inundava meu coração de criança?
Senhor! Desculpe-me a ignorância,
Sei que os Teus desígnios são impenetráveis,
Mas eu como sou apenas uma criança,
Que tem os mesmos desejos das outras,
Não compreendo o porquê de jogar-me
Neste mundo desgraçado
Onde o ódio impera sobre a bondade
Ofuscando a felicidade de existir.
Perdão Senhor!
Queria poder aplaudir os Teus atos
Mas como não tenho braços
Só restou a boca… pra blasfemar.

( Aderson Cavalcanti )

Leia mais versos de visitantes

7 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *