A um Poeta – Olavo Bilac

A um Poeta

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=KTiZ3sJYxOk&w=560&h=315]

Longe do estéril turbilhão da rua,
Beneditino, escreve! No aconchego
Do claustro, na paciência e no sossego,
Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua!

Mas que na forma se disfarce o emprego
Do esforço; e a trama viva se construa
De tal modo, que a imagem fique nua,
Rica mas sóbria, como um templo grego.

Não se mostre na fábrica o suplício
Do mestre. E, natural, o efeito agrade,
Sem lembrar os andaimes do edifício:

Porque a beleza, gêmea da Verdade,
Arte pura, inimigo do artifício,
É a força e a graça na simplicidade.

Olavo Bilac )
(Poema digitado e conferido por mim mesmo, publicado em  Antologia Poética – Porto Alegre, RS: L&PM, 2012. p. 68)

0 resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *