Roberval Pereyr – Poema

Roberval Pereyr – Poema Selecionado

SONETO DO EGO E SEU FIM – Roberval Pereyr

Os abismos em torno de cintura,
as mãos magras de apalpar segredos.
Magras e marcadas – que há dúvidas
cravadas nas palmas e nos dedos.

São dúvidas vorazes que eu mesmo
amamentei às margens do mistérios.
E são tantas! E tanto já cresceram
que suas patas pesadas reverberam

nos elos desta voz: voz que eu (bêbado)
confundo com a minha no ego
– ser amalgamado, um olho cego,

traído e traidor, pesada cruz.
Hei de matá-lo, este fantasma vesgo,
enraizado no ser. Se morto: é luz.

( Roberval Pereyr )
(Do livro “110 poemas”. Salvador: Quarteto, 2013. p. 107 – contribuição de Laiane Teles, conferido novamente por mim também.)

Publicado por Fabio Rocha

Poeta, Terapeuta Holístico e Administrador de Empresas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: