OSHO: Ache Osho

Nem lembro mais onde achei OSHO primeiro. Esbarrei em algum texto dele na internet, gostei e procurei por mais… Assim, acabei devorando vários sites e livros. Sempre fui um buscador de respostas, estudei religiões, Psicologia, Psicanálise, Filosofia, esoterismo e muito mais coisa sem me satisfazer totalmente. Nessa busca, OSHO acabou sendo um dos maiores encontros. Agora compartilho com prazer. Eis alguns sites que recomendo:

“Você precisa sentar-se simplesmente e deixar a poesia entrar em você, para que ela passe a ser uma força viva.” (Osho)

 

 “Eu sou um convite”
“Eu sou uma desculpa”
“Eu estou aqui para provocar o deus que existe em você” (Osho)

Os dez mandamentos de Osho
Em 1970 perguntaram a Osho pelos seus dez mandamentos. Esta foi sua resposta (considero um bom resumo de suas idéias):

“Você pergunta pelos meus dez mandamentos. Isso é muito difícil, porque eu sou contra qualquer tipo de mandamento. Todavia, só pela brincadeira, eu estabeleço o que se segue:

  1. Não obedeça a ordens, exceto àquelas que venham de dentro.
  2. O único Deus é a própria vida.
  3. A verdade está dentro, não a procure em nenhum outro lugar.
  4. O amor é a oração.
  5. O vazio é a porta para a verdade, é o meio, o fim e a realização.
  6. A vida é aqui e agora.
  7. Viva completamente acordado.
  8. Não nade, flutue.
  9. Morra a cada momento para que você possa se renovar a cada momento.
  10. Pare de buscar. O que é, é: pare e veja.”

(Osho, em “A Cup of Tea”) Fonte: http://www.palavrasdeosho.com/2009/11/os-dez-mandamentos-de-osho.html

  • “Sem reza, sem sacerdote, você sozinho basta pra ver o sol nascendo. Você não precisa de ajuda pra interpretar sua beleza.” OSHO (tradução minha daqui)

Mas não basta ler OSHO. Segundo ele mesmo, é mais importante meditar. Mais profundo… Aqui no Palavras de OSHO você pode escolher sua meditação.

‎”Meditação é apenas se deliciar com a sua própria presença. Meditação é um deleite no próprio ser. ” OSHO, em “O Livro Orange”

*

Osho tem mais de 100 técnicas de meditação (nos links acima) mas me pediram para eu compartilhar algo simples. Eis o mais o básico que faço quase todo dia, da Yoga:

1 – Sentar com as pernas cruzadas e coluna ereta ou deitar com a barriga pra cima (sem dormir)

2 – Concentrar-se na sua respiração, pelo abdômen, tornando-a lenta e profunda

3 – Tentar silenciar a mente. Virão pensamentos, preocupações, mágoas… Mas é só deixar isso passar como nuvens…

Luz baixa, incenso, e música new-age podem ajudar. O ideal, em teoria, é fazer sempre no mesmo horário e mesmo local da casa.

Fique alguns minutos e tente ir aumentando gradativamente. Mesmo não atingindo o estado de silêncio, você relaxa e se encontra um pouco mais.

*

Outros vídeos muito bons sobre meditação:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=vHjyMq6eZB8]

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=FWWZ52a3grg]

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=-pIH98glHJ0]

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=ECQE9JFYZPk]

*

Achei também esse texto sobre a meditação para OSHO, num blog que já saiu doar. Segue em itálico:

Primeiramente Osho explica: “Meditação é sentar-se sem fazer nada – não usar seu corpo nem sua mente”. Então ele declara que se a pessoa começar a contemplar ou a se concentrar em alguma coisa, isso já é estar fazendo alguma coisa. Ou seja, contemplação e concentração podem ser usadas como caminho, mas não é o meditar. Para ser meditação a pessoa não deve estar fazendo nada mesmo! Ele ressalta que não tem como fazer isso e nem praticar isso. É preciso apenas compreender. Dessa forma, só resta para o meditador apenas ser. “E quando pegar o jeito poderá ficar nesse estado por quanto tempo quiser” diz ele.
Então a primeira parte da meditação é simplesmente ser. A segunda parte é aprender a “simplesmente ser” na vida, no cotidiano, nas tarefas e ações. Até que a pessoa consiga manter a meditação imperturbada, tendo sempre o silêncio no fundo, ou seja, sem o ruído da mente.
Ele ressalta que a vida continua e até se torna mais intensa, mais alegre, com maior clareza, visão e criatividade. Por que o meditador não é aquele que faz, mas sim o que observa e todo o segredo da meditação está em tornar-se o observador. Você faz grandes ações, mas sem perder o seu centro.

EXPERIÊNCIA PESSOAL
Teve uma época em que achava que meditação não era para mim porque era um exercício difícil e meio sem motivação. Minha mente não parava, meu Vatta sempre foi muito forte e então era difícil ficar mais do que 10 segundos em um símbolo ou mantra, por exemplo. Então troquei a concentração pelo simplesmente ser. Deixar de pensar para sentir, colocando a existência inteira à minha disposição. O resultado foi imediato de compreensão de uma série de acontecimentos e pude sentir alguns chacras se abrindo. Uma sensação maravilhosa! Foi preciso desapegar do resultado da meditação para conseguir esvaziar.

APLICAÇÃO DIÁRIA
O exercício que passei a usar foi usando a palavra “brincar”. “Uma pessoa realmente meditativa é brincalhona e divertida, pois a vida é alegre para ela”, palavras do Osho que me chamaram a atenção. Brincar com a idéia de não estar fazendo nada, sentado no banheiro, por exemplo, é uma sugestão no livro, para aproveitar o tempo livre onde não temos que pensar, ou agir. Basta a pessoa estar relaxada, querendo se divertir e em silêncio centrado em si. Deve brincar, aproveitar o tempo livre, para simplesmente não fazer exatamente nada. Muito menos pensar…
Como Osho ressalta que não é preciso nenhuma postura especial e nenhum tempo especial para essa aplicação diária, ficou mais prático e interessante para mim, que pude fazer essa “brincadeira” várias vezes ao dia.

O QUE É MEDITAÇÃO PARA O OSHO?
Meditação é a sua natureza, porém meditação está além da mente e não pode ser penetrada por ela, pois onde a mente acaba é justamente onde a meditação começa. Basta voltar-se para dentro e a meditação começa.

MEDITAÇÃO DAS PALAVRAS – SILÊNCIO ENTRE ELAS
Osho diz que na mente há uma tagarelice constante e que deve-se observar o silêncio entre as palavras. Basta ficar atento e observar que entre dois pensamentos há um intervalo e que até entre duas palavras há um intervalo, mas que estamos sempre atentos as palavras e não aos intervalos. Então ele sugere para que o praticante mude o foco. A mente só pode ver uma coisa de cada vez e quando estamos concentrados nas palavras não estamos prestando atenção no silêncio e vice-versa e sem esforço e sem estresse. Mas Osho deixa claro que isso deve ser divertido, despretensioso, como uma brincadeira.
Deve-se fazer essa técnica até esvaziar e lembrar que “mente significa palavras e o ser significa silêncio”. Essa frase do Osho foi sem dúvida a mais marcante para reforçar minha disciplina. Ou seja, silêncio é meditação e o silêncio está sempre presente, basta mudar o foco para ele.

O USO DOS MANTRAS PARA OBSERVAÇÃO DO SILÊNCIO ENTRE AS PALAVRAS
Osho sugere o uso de mantras para criar cansaço, para que a pessoa queira se livrar das palavras a única saída é mergulhar no silêncio. Quando a mente está repetindo a mesma coisa ou o praticante adormece ou entra no silêncio. Mas a idéia não é adormecer apesar do mantra ser um ótimo tranqüilizante por isso ele sugere que o praticante que dorme durante o mantra deve fazer em pé ou andando. A intenção é se livrar do falatório constante mas com cuidado para não reprimir sua energia e não com a intenção de obrigar a mente a ficar em silêncio e sim criar uma mente transcendida e principalmente sem querer controlar absolutamente nada.
“Fique sentado a margem de sua mente, observando sua sujeira, seus problemas, suas folhas podres, mágoas, feridas, memórias, desejos e aguarde o momento em que tudo estará límpido novamente” Mestre Osho.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
Como Silenciar a Mente

Mais um trecho genial de OSHO, sobre amor e paixão:

“Se você amar conscientemente, o amor poderá ser eterno, porque com a consciência, tudo é eterno. Com a inconsciência, tudo é momentâneo. Se você puder amar conscientemente, não como uma vítima de truques biológicos [[a paixão como uma droga, onde sempre o efeito acaba passando]], não como uma vítima da natureza [[que usa a paixão para nos estimular ao sexo e à reprodução]], mas um amor consciente, então não cairá de amores, mas se elevará em amor. Então o próprio amor passa a ser uma força integrativa e não uma desintegração; o próprio amor passa a ser uma percepção e você fica cada vez mais consciente no relacionamento. Você se importa com o outro mas não o usa. Você se importa e compartilha mas não possui. Você liberta o amor e, por meio da libertação do outro, você se liberta. Vocês passam a ser parceiros numa jornada suprema. Vocês se ajudam, pois existem ciladas e o caminho é longo e a jornada é eterna. E é muito bom poder estar com alguém com quem se possa compartilhar cada angústia, cada sofrimento, cada dor, cada deleite, cada momento de silêncio; com quem você possa se comunicar; a quem possa dizer o que está acontecendo com você; que sabe que o ajudará, não importa o que lhe aconteça; que você sabe que o amará, seja qual for a situação em que você esteja – boa ou ruim, irritante ou feliz, triste ou bem-aventurada. Você não precisa esconder nada da pessoa que você ama; você pode ser aberto e vulnerável. E, seja qual for a situação, o amor é incondicional, ele não depende de condições.”
(OSHO, A Harmonia Oculta, p. 157)

(Os [[]] são com minhas palavras, resumindo parágrafos anteriores)

Mais OSHO, sobre amor e desprendimento:

“Você pode ficar desprendido sem amor ou pode amar sem ficar desprendido. É fácil escolher um extremo, uma polaridade.” (OSHO, A Harmonia Oculta, p. 161)

A Vida segundo Osho

1.- A vida é viver – Não é uma coisa, é um processo. Não existe forma de conhecer de conhecer o que é a vida, a não ser vivendo, estando vivo, fluindo, discorrendo com ela. Se buscas o significado da vida em algum dogma, numa determinada filosofia, numa teologia, fique certo de que perderás o que é a vida e seu significado. A vida não está te esperando em nenhum lugar, em nenhuma parte, está sucedendo-te. Não se encontra no futuro como uma meta a ser alcançada, está aqui e agora, neste mesmo momento, em teu respirar, na circulação do teu sangue, e nas batidas de teu coração. Qualquer coisa que sejas é tua vida e se te colocas a buscar significado em outra parte, tu a perderás.

2.-A vida é insegurança. A cada momento te diriges para uma insegurança maior. É um apostar. Nunca se sabe o que vai acontecer. E é belo que nunca se saiba. Se fosse prescindível, não valeria a pena viver a vida. Se tudo fosse como se gostaria que fosse e se tudo fosse uma certeza, não serias um homem, serias uma máquina. Só existem certezas e seguranças para as máquinas.

3.- A vida é um mistério; quanto mais a conheces, mais bela se torna. Chega um momento quando, de repente, começas a vivê-la, começas a fluir com ela.

4.- A vida não é uma tecnologia, nem uma ciência. A vida é uma arte… tens que senti-la. É como caminhar numa corda bamba.

5.- A melhor forma de perder a vida é ter um certo controle sobre ela.

6.- Depende de ti. A vida em si mesma é um tela em branco, se converte em qualquer coisa que tu pintes nela. Podes pintar infelicidade, podes pintar felicidade. A escolha é tua. Esta liberdade é tua glória.

7.- Minha mensagem é muito simples: viva a vida tão perigosamente como te seja possível. Viva a vida totalmente, intensamente, apaixonadamente, porque a vida é o único Deus.

8.- Primeiro te converte num Zorba, numa flor desta terra e através dela chegue a capacidade de ser um Buddha, a flor de outro mundo. O outro mundo não está separado deste; o outro mundo não está contra este. O outro mundo está escondido neste. Este é somente uma manifestação do outro e o outro é a parte que se manifesta neste.

9.- Para mim, o primeiro fundamento da vida é a meditação. Todo o demais é secundário.

10.- A vida deve ser uma busca. Não um desejo, mas sim, uma busca; não uma ambição de converter-se nisto ou em outro, no presidente de um país ou num primeiro ministro, mas sim, uma busca para descobrir-se: “Quem sou eu?”

11.- A vida deverá ser uma celebração, um festival de luzes durante todo o ano. Somente então podes crescer, podes florescer. Transforma as coisas pequenas numa celebração.

12.- A vida não é um cárcere, não é um castigo. É uma recompensa que é dada somente àqueles que a tenham ganhado, aqueles que a merecem. Agora tens o direito de desfrutá-la. Seria um erro se não a desfrutasse-a. Irias contra a existência se não a embelezasse, se a deixasse simplesmente como a encontrastes. Não deixá-la um pouco mais feliz, mais bela, mais flagrante.

13.- A vida consiste em explorar, em ir em direção ao desconhecido, em alcançar as estrelas! Seja corajoso e sacrifique tudo pela vida; nada vale mais que ela. Não sacrifiques tua vida por causa de pequenas coisas: dinheiro, segurança, estabilidade. Nada disso tem valor. Tens que viver tua própria vida tão intensamente como te seja possível, então, a alegria chega. Somente então, é possível uma desbordante felicidade. Aqueles que querem realmente viver tem que se defrontar com muitos riscos. Tem que adentrar-se mais e mais no desconhecido. Tem que aprender uma das lições mais fundamentais: que não existe casa, que a vida é um peregrinar sem princípio nem fim. Sim, existem lugares onde podes descansar, porém são simplesmente para passar a noite e a manhã seguinte tens que ir de novo. A vida é um contínuo movimento, nunca chega a nenhum final.

14.- Quanto mais profunda uma pessoa é em si mesma, mais madura. Quando alcança o centro de si mesma, de seu ser, alcança a maturidade perfeita. Para mim, “maturidade” é outro nome para “realização”. Culminou-se o pleno desenvolvimento de seu potencial. O tens atualizado. A semente, traz consigo uma árdua viagem, até florescer. A maturidade carrega uma certa fragrância, acrescenta uma tremenda beleza para o individuo. Acrescenta-lhe inteligência, a inteligência mais aguda possível. Converte-lhe em puro amor. Sua atividade é amor, sua inatividade é amor. Sua vida é amor, sua morte é amor. És tão somente uma flor de amor.

15.- A vida em sua totalidade é uma grande piada cósmica. Não é um fenômeno sério; tomá-la seriamente seria perdê-la. É preciso compreendê-la através do riso. Não vou dar-te uma meta. Somente posso proporcionar-lhe uma direção, aberta – transbordando vida – e desconhecida – sempre surpreendente, imprescindível. Não vou te dar mapa algum. Somente vou te proporcionar uma grande paixão por descobrir as coisas. Sim, não necessitas de nenhum mapa; requer-se uma grande paixão. Logo te deixarei só. Então, te moverás por ti mesmo. Adentra-te no imenso, no infinito e, pouco a pouco, aprende a confiar nele. Abandona-te nas mãos da Vida.

16.- O conceito antigo do homem religioso é que ele está contra a vida. Ele condena esta vida, esta vida corrente; chama-a de mundana, profana, uma ilusão. Há censura. Eu estou tão profundamente enamorado da Vida que não posso censurá-la. Estou aqui para incrementar a possibilidade de senti-la.

(OSHO)

*

“Mas, se já não bastasse a maioria de nós levar uma vida carente de significado (não significado pros outros, mas pra si próprio), esquecemos que não seremos os únicos a passar por esse planeta, que outras pessoas vieram antes de nós e outras irão vir depois, e simplesmente não nos importamos em deixar uma marca significativa. Mesmo podendo observar que a maioria é esquecida depois que se vai… Como eu um dia li, “a maioria das pessoas morre com sua música ainda nelas“.”

(Osho)

(Post original de 8 de julho de 2010)

16 respostas

  1. Isso sim é fazer jus a palavra escrita!! Quem delícia encontrar pessoas como você.O "detalhe" é que a gente fica querendo tempo pra ler tudo.Adorei seus espaços.Bjk.

  2. Transcender , buscar algo além do maldito capetalismo, conhecer profundamente a si mesmo e então se amar , só assim seremos capazes de conhecer e amar o outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *