wikipedia – o tema mais difícil para se fazer uma poesia – uma antidefesa – um de meus piores poemas e um desabafo

eu estou errado
o eu está errado
o ego está errado

mas a Wikipedia também:
a idéia era boa
de comunhão anti-egóica
juntos em prol da informação
mas se perdeu totalmente

nova tentativa após anos de abandono
e eu não me considero mais em condições psicológicas de insistir:

quando vejo, estou tomando porrada
quando vejo, estou me defendendo da porrada

no meio da política
criticando políticos

no mundo do Direito
sem ser advogado

desvendando programas automáticos acusatórios
sem ser programador
(que além de apagar o que você fez – e te avisar de forma rude
apagam o histórico do que você fez
sem chance de diálogo)

sem objetivos
perdido entre siglas ininteligíveis
(WP PA WS PS WTF)
tentando entender meus próprios objetivos iniciais

faltam mulheres
falta compaixão
falta ver o lado do outro com olhar feminino…

quando vejo,
estou agredindo por ter sido agredido,
por ter sido agressivo antes,
por ter agredido agora…
já nem lembro onde

ansioso com tudo público

bloqueado sem direito a defesa
lendo emudecido
as mais variadas interpretações da minha conduta
(vândalo, amigo, usuário inexperiente, usuário antigo…)

quando vejo,
virei um defensor dos construtores
só pra atacar os destruidores
um herói pela justiça
só porque fui injustiçado
lutando pelo direito de cada um
de ter novas aporrinhações futuras
num sistema que não funciona
desmotiva, calunia, ataca e censura
quem tenta atravessar o mar de dificuldades
para se contribuir com ele

bloqueado novamente sem direito a defesa

perdendo o tempo precioso
de admirar uma rã
ou qualquer coisa real e vã
que deixe o mundo realmente melhor

(Fabio Rocha)

OBS.: Cabe dizer que aparentemente não há apenas administradores de uma só panelinha no poder. Pelo menos isso melhorou. Há administradores trabalhando contra as injustiças de outros administradores. Quem quiser acompanhar ou participar, segue o link do debate sobre o pedido de meu bloqueio na Wikipedia por toda a eternidade:

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *