hábito de monge

como quem contempla o milagre
e antes mesmo de pensar em crer
antes mesmo de pensar em ver
instintivamente
desvia o olhar pro chão

o milagre era possível
adiante
radiante…

assim o poema
escapa aos sem folhas
sem flores

um bom poema
uma meditação
um amor:

plenitudes do mínimo

são

sem tempo de olhar o chão

habito-de-monge

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *