noite grande

tento em vão proteger as mãos sem consciência
a voz que ainda não fala
a inocência dos perigos
o presente dos futuros e dos passados

só eu

no mar alto de minha tristeza vã
venta o que existe aí
frágil contra o mundo…

e choro de mim

noite-grande

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *