papão

Leio Drummond falando da família
da cidade
da vida
às 4 da manhã
e a solidão bate na porta
silenciosa e fechada

a porta que gosto de trancar à noite

pra ficar lá fora
o enorme medo infantil
da vida sem você

2 respostas

  1. O medo da vida “sem”, jamais será infantil. Enquanto ele estiver lá, seremos passionais, ouvintes, errantes, ambíguos talvez. Enquanto ele estiver lá, ainda somos humanos.

    E eu, tenho deixado a porta apenas encostada; abrir a porta para a solidão é apimentar, equilibrar, fortalecer.

    🙂 gosto daqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *