poema clássico número 16

amor: tema recorrente
rio nada raso que te faz nascente
sorriso curvo mais que inconseqüente

sonhei que me cortavam lentamente
uma caixa no tórax
um pedaço do braço
um espaço da mão

não lembro da dor
mas eu assistia
como espectador
a tal forma de sair…

do metal
do quadrado
do amor?

classico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *