alegro

alargo um poema
que não me larga
nem nasce

desobstruo a passagem
do nada pro nada
por nada

nado na fonte
no alto do açude
mesmo que não se abra
nenhuma comporta

alegro

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *