Borges

Quando podia ver, virou fiscal de feiras e amava ler. Quando perdeu a visão, vivia cercado de livros na Biblioteca Nacional…

Cometi o pior dos pecados
que um homem possa cometer: Não fui feliz.
Que os glaciares do esquecimento
me arrastem e percam, desapiedados. Meus pais me engendraram
para o jogo arriscado e formoso da vida, Para a terra, a água, o ar, o fogo.
Eu os defraudei. Não fui feliz.
Cumprida não foi sua jovem vontade. Minha mente se aplicou
às simétricas porfias da arte, que entretece o nada.
Me legaram valor, não fui valente.
Não me abandona, sempre está ao meu lado
a sombra de haver sido um infeliz.

Jorge Luiz Borges

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *