finda

“Meus poemas são eu mesmo.”
(Mario Quintana)

ser o fogo de si
até brilhar fora alguém
e ser escuro sem

então tecer a finitude com o olhar
cansado de
descobrir o cinza em toda cor

começar pelo poema
e terminar pelo poema

pra que esse rastro de sangue no itinerário complexo?
essas cartas de amor aterrorizantes no armário?

por que essa guerra de quereres insolúveis?
soldados sem plexo, feitos de silêncio e normas?

pelo que já vi, assim,
em água acabarão todos os olhos
no fim…

cinza

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=uBA1nUHJhI0]

3 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *