Emílio de Menezes – Poema A Chegada

Emílio de Menezes – Poema Selecionado

A Chegada

Noite de chuva tétrica e pressaga.
Da natureza ao íntimo recesso
Gritos de augúrio vão, praga por praga,
Cortando a treva e o matagal espesso.

Montes e vales, que a torrente alaga,
Venço e à alimária o incerto passo apresso.
Da última estrela à réstia Ínfima e vaga
Ínvios caminhos, trêmulo, atravesso.

Tudo me envolve em tenebroso cerco
— D’ alma a vida me foge, sonho a sonho,
E a esperança de vê-Ia quase perco.

Mas numa volta, súbito, da estrada
Surge, em auréola, o seu perfil risonho,
Ao clarão da varanda iluminada!

(Emílio de Menezes)

Saiba mais sobre a vida e obra d0 autor na Wikipedia

Leia mais poemas de grandes poetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *