Borboletas Negras

Borboletas Negras

A Ingrid Jonker

as palavras
batem
com a cabeça
na realidade

tremem as mãos das palavras
e todos os seus rostos
ensangüentados
choram vermelho

as palavras
cortam
pulsos
por meio da literalidade

literalidade
que arde
aborta
e atira nas costas
de crianças mortas

literalidade
sem literatura

a palavra sorve álcool e vidro quebrado

a palavra é o último dente da agonia,
fome do justo
mordendo o ventre
que só pare
sem parar
a mesma África
o mesmo mundo
vasto mundo

a palavra está cansando
molhada…
mas não morre!

(e os loucos
nos asilos
batem o ponto
aspirando números
e se achando livres)

5 respostas

  1. Ficou perfeito!

    As palavras como borboletas negras no estômago. Batendo asas. Luta pela liberdade – também a de espírito.

    (Vale registrar aqui o quão perplexa eu estou depois de assistir este filme. Somem as palavras, até).

    =*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *