Ouvindo Janis Joplin

é preciso ver os milagres
os pequenos e próximos

(e de tempo para tal)

pois soluçamos entre quereres e sentires falsos
despedidas dos que poderia ser
saudade do que não foi

mas a certeza grita na noite
como Janis Joplin:
dançamos mais bonitos no que já é

nesse tempo de fotos que nada mostram
palavras que nada dizem exceto “compre”
planejamento de futuros em qüinquênios

nesse maldito tempo de procura de motivos para existir
fora de si
entre o desejo e o tédio
só um lugar é sagrado: o agora
só um som é válido: o silêncio

(é preciso ver os milagres
os pequenos e próximos)

Janis Joplin

12 respostas

  1. O silêncio não existe assim por completo, aqui nesta bola pode ser usado como metáfora…num lugar com a mínima inteferência sonora ouviria meu pulsar…quando cessar essa batida serei o som dos microorganismos…quando não mais existirem serei a vida na terra, no próprio barro e se cimento for, uma cápsula, um invólucro, serei o som dos passos. E quando não houverem passos: seria ar…ainda em movimento…sou um barulhento por natureza. Obrigado Quesada pela indicação…é preciso ver milágres…o micro e o macro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *