Poema imagético 56

uma mulher vai na janela

o trem vai pra trás
seus cabelos, pra frente

seus cabelos de vento
de noite

como ela digitasse
o som da chuva

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *