NO ÔNIBUS

deitado não durmo:
rumino um poema
sem rumo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *