DECLARAÇÃO

(Para Rebeca dos Anjos)

eu te amo
é quando dormes
e não sei de amanhã

eu me apaixono
se o risco de perder-te na manhã
queima as mãos que acariciam caos

somos cacos respirantes do que estamos
múltiplos pedaços que não se soltam
e caso se prendam demais
por medo mútuo e contrato e método
se sufocam e se quebram em todos os ossos

somos sintomas que se mordem
e riem da piada da vida

ah, como admiro em ti
a perfeição encantada de cavalos
a coragem de buscar ser
a inconstância irmã de tanto afeto
o abraço de casa e chegada
o doar-se sem se perder de si
a coragem no medo
dos besouros que entram
no nono andar da conversa
da nossa conversa
janela interminável e doce
que só nós dois entenderíamos

(e mesmo assim não morremos)

a beleza do seu sorriso
a simbologia do seu sorriso
e ir de mãos dadas
vendo os filmes mais tristes e frios e loucos
extremamente juntos
sendo um filme bonito
em que tudo muda e dança
mas não acaba

(estando vivos)

4 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *