SP9: SEM NÚMERO E SEM SONO, QUEBRANDO OVOS

fui até são paulo
encontrar o pior de mim.

amor,
nada
absolutamente nada
funcionou como deveria
(do início ao fim)
e nenhum dos dois
está minimamente disposto
a quaisquer contratempos.

(no entanto teve o melhor omelete)

voltei voando sobre uma dor inexplicável
enquanto me ofereciam amendoim
e não sei se isso tem algo a ver com o supracitado

(lástimas e lágrimas)

que bosta, Costa:
amar não basta.

não me ame
pelo amor desse deus filha da puta
nem depois de todas as cervejas do mundo
me ame

como pode tão já
tanto extremo
bom e ruim?
50 anos em 5 dias?

não me toque.
a noite é longa demais.
não me acorde apenas pra te ver dormir!

o sonho rápido demais em pesadelo
o colo rápido demais em abismo
fere
e a ferida faz querer ferir
amor em brasa:
não desperte o pior de mim!

nosso filme
(comédia nonsense)
só teve inícios
nunca terá o devido meio
nem fim

fume em paz:
aqui jaz o que seremos
(nesses versos ridículos)

perante tanta tristeza
estou com saudade
de minha ansiedade
solitária

vou entrar nesse apartamento
e só vou sair
depois de dormir pelo menos uma noite inteira
quando a vida deixar de ser um lamento triste e sem sentido
após você me esquecer perto do celular e dos óculos
e mesmo assim não vou entender o que houve
nem por que choro

(por favor, me ame)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *