BARBOSA

d8186 capuccino 746063

escrevo pelo vale 

por onde a criança brincalhona se perdeu 
através do viés do beco da obediente e séria 
vê-se a nesga da vespa vesga 
que escapa 
da linguagem que prende 
e pousa na palavra doce 
do teu poema vivo e perfeitamente maquiado 

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *