O AGORA

“Enquanto eu escrever e falar vou ter que fingir que alguém está segurando a minha mão. Oh, pelo menos no começo, só no começo. Logo que puder dispensá-la irei sozinha. Por enquanto preciso segurar esta tua mão – mesmo que não consiga inventar teu rosto e teus olhos e tua boca. Dá-me a tua mão desconhecida, que a vida está doendo, e não sei como falar – a realidade é delicada demais, só a realidade é delicada, minha irrealidade e minha imaginação são mais pesadas.” Clarice Lispector

não é cedo
não é tarde
é só nosso
e arde

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=kLPwR_0luhY&w=480&h=390]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *