SER, POETA

não deixo tempo de ser 

começa aquele olho de esfinge 
a ausência estranha 
a presença mais ainda 
tudo me faz susto 
e corro a inventar 
ventos 
para crer 
antes que seja real 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *