NA NOITE ESCURA, ALGO SE FORTALECE

Sentido! A noite me cai como um tijolo no peito. Mas vou. Vou e pretendo ir muito mais daqui pra frente. Cair na noite sem pedir pra sair, no caos da noite mais barulhenta, lotada e suada, até que me seja natural como respirar. Quando o Coronel Trautman certa vez disse, sobre John Rambo, “O que vocês chamam de inferno, ele chama de lar…”, me inspirou. Não gosto e não preciso de bebida para ganhar coragem pra batalha. E isso é uma boa vantagem competitiva (sim, não se engane, é uma guerra!). Preciso é aprumar o foco, perceber melhor que alvo tem mais condição (ou dá mais condição) de morrer e ir na certeza. Economizar munição. Preciso também aprender com os soldados que bebem a arte da insistência contínua, que leva a conquista de mais territórios. Preciso é aperfeiçoar essa marcha ininterrupta, a arte de seguir tentanto, no limite da chatura, sem o álcool para ajudar… Porque se a falta da manguaça ajuda no primeiro contato, atrapalha na insistência após o primeiro “não”. E o “não” é o comportamento padrão dos alvos que recebem a primeira saraivada de tiros… Isso é mais importante do que citar Nietzsche ou falar um poema virando cambalhotas. Ah, como são perigosos os caminhos da boca ao pé do ouvido. Quão escuras podem ser as trilhas das batalhas… Mas aprendi que há de tudo na noite, muito além de qualquer tentativa de padronizar (“bêbadas, fúteis, fáceis, burras…”), tem de tudo. Tem até mesmo aquela mulher que se encaixa com os de alma desencaixada, aprendiz eterno das artes da noite e do amor (ah, o amor, o mais importante da vida e não ensinam no colégio…). O mais importante é simplesmente estar lá. E tentar curtir… Transformar o inferno em lar… Ah, outro aprendizado: não há amigos no campo de batalha, quando a vida (ou a vontade de vida de Schopenhauer) está em jogo. Quando a comida pouca se apresenta perante a fome múltipla, as estratégias coletivas de guerrilha vão por água abaixo e é cada um por si. Dispensados.

3 respostas

  1. Gostei do texto.Entendo que na vida, em qualquer canto, os encaixe se encontram.não faltará jamais, uma curva, que não atenda uma RETA. Belissimo mesmo. Mas, estou aqui lhe convidando a visitar o meu blog, e se possivel, seguirmos juntos por eles.Estarei grato esperando por vc, lá. Abraços de verdade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *