Ô ANA JULIA

dbdd5 ceu


ana julia
de luz
jura eterna instantânea
(e não acentuada)
de ser possível já
ainda
o verbo antigo
sempre novo e verde e vermelho
o verbo que verte em cada verso
de cada poema novato
antes que a idade traga cortes nos vértices
antes que muros subam pra evitar de novo
afagos
afetos
evoluindo em murros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *