SERESTEIROS DE COPACABANA

em conjunto roubamos
meu amigo
a poesia das horas
cada qual a seu mal, executamos
espalhamos em letras e agoras
nos espalhamos em bocas e espelhos antigos
antíteses antes que haja algum espaço
para o que chamam
vazio
silencio
essas dores, esses infinitos cacos
de amores platônicos
abissais abismais abismos
pára-quedas sem laços
do que poderia ter sido
(hoje eu deveria ter meditado)

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=M85YonmYwfk?fs=1&hl=pt_BR&w=480&h=385]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *