NÃO ESCOLHO NADA, SÓ PERCEBO

o mar ruge
atrás
de poucos prédios

morcegos plúmbeos me planam
amendoeiras acenam pacatas
vento breve
noite negra

é hora de novo
uma só
tudo é uma:
ela

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *