UM TANTO QUANTO APÓCAPO

meu corpo não suporta mais o peso de tanta incerteza.
certamente que não.
não sei nada, não sou nada…
o que quase começa não segue… o que começou terminou…
não sou nada, não sei nada…
estou. chato. durmo pouco para dizer que tô com sono o dia todo. para ter o que dizer, que o silêncio ainda não basta. ao morrer, silenciarei, certo? pra que a pressa? acho q sem yoga nem paixão não vai dar não… e olha que tenho conseguido meditar antes do sol nascer. é hora da poesia melhorar que estou explodindo em versos e ansiedade criativa mas nem isso tá muito bom. dito isso (nada)…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *