LARA LARANJA

f087a laramaral

da prima vez que vi lara na câmera
a voz sumiu
e as dores passaram

tudo estranhamente simples
e um medo danado

lara mora longe
mas tão perto ainda agora…

a laranjeira da casa de minha infância não socorreu
em absolutamente nada
(nem houve)

nunca me pareceu tão fácil fazer um poema digitado
quando as palavras empacaram na boca embasbacada
e minha câmera me deixou quadrado

pele branca de lara
fala
ouvido delira
lara ao vivo sem lira

– liguei um rádio

(sou tímido e tenho 12 anos)

os olhos dela
com a mesma calma triste
com a mesma profundidade clara

– falei do tempo

todo o meu treino abismado:
ela! Ela! Lara! Isso! Larissa!

Abismo.

– me fingi ocupado

apesar do despreparo
deliciosamente lá existe
move e fala, essa Lara raríssima

– falei do falar, que estranho

– pedi um tempo

(tudo tão rápido e desplanejado!)

ESC ESC ESC

desliguei o rádio
reiniciei o computador
tranquei a porta
corri
bebi água
respirei fundo
contei os dedos
escovei os dentes
voltei voando…

lara saiu
foi-se embora
ver um filme

 

3 respostas

  1. hahaha… Vc é uma figura.E li esse poema, quase prosa poética, sorrindo de orelha a orelha, fofíssimo! Amei! =)Beijinho em ti. E um aperto de bochecha.Ps.: Reparou que minhas unhas estão na cor azul escuro? O toque laranja deixei para vc neste seu escrito 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *