RECONECTANDO (AMOR FATI)

faço as pazes
com os presentes do presente

o mar e amar
possíveis

aceito-os

boiar em vez de nadar

praia e sol e som
e me vejo de fora dos olhos do tempo
olhando a paisagem estático
(extático e lento, cheiro de óleo)
tal qual a criança que sigo sendo
vendo de longe
os marimbondos em Cabo Frio
da janela alta
agradecendo a distância
entre a pele e o ferrão

venta leve e morno
meu pé no chão

deixo as escarpas afiadas
os morros de ventos uivantes
as falésias inalcançáveis
os abismos do altíssimo
pros homens que tem asas
ou fingem ter

vejo em paz o meu presente
e não falta nada
me basta ser

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *