NADA É NADA

Um rio na montanha
Um rastro uma aranha
Uma selva ao sol do sempre
Brilhando orvalho do que passou
Passando brilho que restará
Ficamos, ficarás, ficaremos
Acabando somos

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *