ANTIPOÉTICA

já não quero o saudável
e trôpego tusso e troco
o ácido ascórbico
pelo seu iogurte importado com polpa
que não me poupa

quero é viver Neruda
quero (em)beber-te em âmbar doce
quero sonhar de dia
e não planejar noites

– Querer é meu verbo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *