DO OLHAR

Soltem meus braços!

Deixem eu voltar
Essa retinas abobadas
Para julho
Mesmo que julho
Nunca venha…

Deixem-me!

Eu preciso de uma árvore
Para pousar
Minha cansada
Esperança.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *