ESTALAR DAS MADEIRAS DA ÁRVORE INSUSTENTÁVEL

jejuo um pouco de leveza na seiva
mas afino a espada da busca novamente Machado
quando tudo verde recente
se enche do peso da liberdade
limo
doença
musgo
e volta adamantina e brilhante carapaça
o inquebrantável mágico metal
da imposibilidade
que torna o vento inimigo
e tanto tudo
(tão alto, tão alto…)
quase tombo

(o padeiro entregou o pão)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *